Saturday, April 07, 2007

Nas raízes do Barbárico promontório

fotografia alojada em www.flickr.com

fotografia alojada em www.flickr.com
p.289
fotografia alojada em www.flickr.com
p.290
fotografia alojada em www.flickr.com
p.291
fotografia alojada em www.flickr.com
p.292
[ clique para ampliar ]
"Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal" - P. Antonio Carvalho da Costa - Lisboa, 1712.
Tomo Terceyro - Tratado VII: Da Comarca de Setubal. [ Biblioteca Nacional ]

«Tem esta Vila onze mil pessoas de comunhão, com quatro praças, que são a do Sapal, a da Anunciada, a do terreiro dos Testos, a da Fonte Nova. Tem feira aos 25 de Julho, e voto em Cortes com assento no banco quarto. Suas Armas são uma Barca entre as ondas cercada de peixes, um Castelo em cima, e dois hábitos de Santiago. As fontes, que a fazem muito amena, e vistosa, são a Fonte Nova, que está na praça, a do Sapal, onde está o corpo da Guarda, a de S. Caetano, que está dentro das muralhas novas, a de Stª. Isabel ao pé da calçada de S. Francisco, e uma soberba fonte no rossio fora dos muros, e dois poços públicos, e grandes, que são o do Concelho, e o das Fontainhas. As pontes que estão dentro da Vila, são a da porta Nova, a de S. Sebastião, a dos Carmelitas. As que saem ao campo, são a ponte de Jesus, a de Santa Catarina, a do Socorro, a da porta de Évora, a do Fidalgo, a do rio Algodeia, e a ponte chamada a Pontinha. É cercada de fortes muros com suas torres, e tem treze portas com vistoso Castelo, de que são Alcaides-mores os Duques de Aveiro, e uma soberba Fortaleza com muita artilharia de bronze, obra d'el-Rei D. Filipe II. Tem um dilatado cais com muitas peças de artilharia, e um admirável porto mui celebrado das Nações estrangeiras, que vêm do Norte a carregar sal, e fazem opulenta esta Vila, a qual é abundante do mais gostoso pescado que há na Europa, e de muita grã, e caça, e a fazem muito fresca as deliciosas hortas e pomares que banha o rio Algodeia.»

Nota: a grã é um insecto que se aloja nas galhas das folhas do carrasco (Quercus coccifera), e era utilizado em tinturaria para obter a cor escarlate, de utilização em tecidos de maior qualidade, nomeadamente nos paramentos religiosos. Pela dificuldade em obter esta cor de outra forma, a grã tornava-se muito valiosa. Sendo colhida na Arrábida, pode ter contribuído para a manutenção da vegetação natural, enquanto o resto da península de Setúbal era deflorestado para aproveitamento das madeiras e utilização agrícola das terras.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home